É amigos, foi-se o tempo de glória em que viajar era fácil e terminava sendo bastante barato, sobretudo se tínhamos intenção de fazer compras, unindo o útil ao agradável, o brasileiro viveu nos últimos anos uma época dourada.

Bom, hoje em dia com o dólar / euro disparado as coisas mudaram muito, o cenário político e econômico atual nos atinge a todos, que neste momento temos que fazer melhores escolhas para poder seguir viajando e curtindo as férias.

Elaborei uma lista que num princípio continha 10 questões, mas fui me empolgando e decidi fechar com 20 conselhos práticos que irão lhe permitir viajar mesmo em tempos de crise, driblando o dólar alto, sem perder o glamour de passar as férias no exterior.

Quero somente deixar claro que algumas das dicas de hoje serão focadas em Europa pelo simples fato de ser o destino que mais conheço, viajei mais para a Europa que para outros destinos, e inclusive atualmente moro na Espanha.

Então, chega de papo furado, vamos lá!

1) Compre as passagens aéreas com preços baixos

A primeira dica é uma das mais básicas, mas muita gente tem curiosidade e busca uma fórmula mágica. Como conseguir comprar passagens num melhor preço é a pergunta do milhão, praticamente impossível de responder pois não há uma fórmula secreta.

Ao invés de responder quando comprar, qual antecipação a pessoa deve ter, vou tentar lhe ajudar informando qual é um bom preço de passagem aérea, considerando que existe um mercado internacional que não está com a cotação variável da moeda, como sofre o mercado brasileiro.

Uma passagem do Brasil partindo de Guarulhos para a Europa, pode custar entre 700 e 1000 dólares, você inclusive encontrará menores preços, mas, fique atento às letras pequenas.

O maior erro que vejo em muitos visitantes deste blog, é cotar as passagens em reais. Gente, passagem aérea é cotada em dólares, se vocês continuarem vendo os preços em reais vão insistir sempre no mesmo erro:

Ano passado fui pra Europa e paguei R$1800 nas passagens, este ano está R$3600, um absurdo!

Não existe absurdo algum e a passagem não teve alteração no preço, simplesmente o real se desvalorizou e o mesmíssimo valor em dólares resulta em mais reais, simples assim.

2) Entre e saia pelo mesmo aeroporto

Muitos turistas simplesmente esquecem disto, uma passagem de ida e volta pelo menos aeroporto sempre é mais em conta, pode pesquisar.

Por ser muito mais fácil de calcular e os preços serem mais baixos, normalmente recomendamos comprar esse tipo de passagem, porém, não podemos ignorar o fato de existir então uma passagem e talvez até, um hotel a mais na hora de voltar para casa.

Se você for para a Europa, chegando em Portugal, passar por Espanha, França, Itália e Alemanha, vai valer mais a pena pagar a diferença para voltar pela Alemanha ou vai ser mais barato pagar um voo dentro da Europa, da Alemanha para Portugal e de lá retornar ao Brasil?

Essa é a pesquisa que você terá que fazer para analisar seu caso e entender o que é mais econômico, mais uma vez, não existe fórmula mágica pois cada viagem é uma viagem diferente e se quiséssemos seguir regras estaríamos contratando uma agência de viagem e faríamos uma viagem em grupo, não é mesmo?

3) Seja flexível com datas

É impressionante como o preço de uma passagem aérea pode variar de uma segunda para uma terça-feira, ou de um dia qualquer para uma véspera de feriado.

Você precisa entender que existem N fatores para o encarecimento da passagem, além da alta do dólar, mas o que mais incide é o fluxo de passageiros, a famosa oferta e procura.

Tente sempre evitar os dias mais movimentados, pesquise e veja se consegue ao invés de sair correndo do dia “1” de suas férias para o aeroporto, se é que no dia “3” você conseguirá uma passagem R$600 mais barata.

4) Viaje na baixa temporada

Essa dica é mais velha que caminhar pra frente, mas ainda continua sendo muito válida e as pessoas costumam esquecer.

Para viajar mais barato você precisa ter uma coisa em mente, você precisa focar na baixa temporada. A Europa é a mesma, no verão ou no inverno, o clima muda evidentemente mas você vai conhecer tudo aquilo que queria também com o céu cinza.

Esqueça viajar para a Europa em julho / agosto, essa é a alta temporada, é quando os turistas europeus tem tempo para viajar com suas famílias, são as férias escolares, enfim, tudo fica mais caro.

5) Considere pacotes

As vezes ignoramos as ofertas que surgem na internet, mas antes de bater o martelo, recomendo que você observe como ficariam os preços para comprar um pacote de viagens que inclua:

  • Passagens;
  • Hotéis;
  • Transportes;

Sites de buscadores como Skyscanner ou Minube podem auxilar você a encontrar esses descontos para compras de pacotes.

6) Viaje com menos malas

É incrível como temos a tendência natural de transportar muita coisa desnecessária durante viagens, muitas vezes por motivos fúteis como “vão me ver todos os dias com o mesmo casaco (nas fotos é claro)”.

Levar menos malas é um desafio enorme, inclusive para mim, mas é natural e a dica precisa ser dada. Com menos peso tudo fica mais fácil e até mais barato, pois você evita pagar excesso de bagagem.

O fato é que sua passagem de ida e volta do Brasil para qualquer destino contempla duas malas de 32kg cada uma, correto!

Porém, os vôos internos na Europa (por exemplo), não! É aí que entra a economia, todo mundo sonha com viajar com as companhias de “low cost” mas esquecem que isso só funciona sem malas!

Isso mesmo, sem malas despachadas, se for despachar vai gastar mais que as próprias passagens. Entendeu meu amigo?! Na próxima viagem leve uma mala por pessoa, e na seguinte, tente viajar com mala de mão, com esforço é possível!

7) Menos destinos

Outro erro clássico é querer abraçar a Europa inteira em 8 dias. Gente, existe uma questão geográfica e orçamentária que as pessoas esquecem aqui.

Você não consegue viajar para tantos destinos quanto pensa antes de conhecer a Europa, não é tudo perto como andam falando por aí e você vai precisa de tempo e dinheiro, para conhecer muitos lugares.

Minha recomendação em época de crise é escolher no máximo dois países e fica pelo menos duas noites em cada cidade escolhida.

Existe uma relação entre custo x benefício muito mais quando ficamos mais dias em uma cidade, tente compreender que você vai ter uma experiência muito mais imersiva e irá economizar muito nos transportes.

Se escolher muitos destinos terá que fazer péssimas escolhas para compensar a falta de tempo, isso significa gastar mais dinheiro em:

  • Hotéis: pois terá de escolher hotéis mais centrais
  • Transporte: pois não poderá escolher horários com melhor preço
  • Transporte 2: pois não poderá aproveitar os passes de transporte urbano para turismo, geralmente muito mais baratos
  • Transporte 3: vai gastar mais em transporte, pois terá que viajar mais vezes
  • Comida: não poderá cozinhar sua própria comida em uma casa de aluguel temporário
  • Comida 2: não terá tempo de encontrar melhores lugares para comer, tendo que ficar só na região turística
  • Compras: não poderá encontrar melhores lugares para compra, nem comparar preços, terá que ficar na região turística, já que o tempo será curto

Esses são somente alguns pontos que surgiram em minha cabeça por agora, mas lembre-se, mais é menos e menos é mais, isso funciona sempre.

Não pensa nesta viagem como sendo sua última, você vai gastar dinheiro à toa e não vai aproveitar nada se quiser atropelar as coisas.

8) Planeje sua alimentação, se possível cozinhe você mesmo

A dica número 8 vai incomodar algumas pessoas, mas tudo bem, é um paradigma que pode ser quebrado. Ao invés de comer somente em restaurantes e fast food (achando que vai economizar), minha recomendação é você preparar sua própria comida.

Ao cozinhar você consegue economizar muito, pode ir no supermercado e comprar tudo por um preço inferior, até mesmo a bebida. Veja bem, uma comida bem servida num restaurante não custa menos de 10 euros, mas ao cozinhar em casa você consegue reduzir isso a 2 ou 3 por refeição.

Se for tomar uma cerveja ou taça de vinho num restaurante poderá pagar 5 ou 6 euros, por outro lado no mercado essa cerveja custa menos 1 euro e um vinho regular pode custar 3 euros “a garrafa inteira”.

Existem hotéis que possuem cozinha, mas uma melhor opção é ficar hospedado em uma casa mesmo. Falarei sobre isso no próximo ponto.

9) Fique hospedado em casas ao invés de hotéis

Com a chegada do AirBNB (que é a forma mais econômica de se hospedar no exterior), todo o conceito que tínhamos de viagem mudou.

Hoje em dia é muito comum se hospedar em casas de aluguel temporário, eu mesmo sempre considero essa opção, antes mesmo de ver hotéis.

Mas tem gente que fica naquela de “eu não vou viajar para cozinhar”, “eu não vou de viagem para lavar a roupa”, “eu não vou de férias para arrumar a casa”.

Se seu problema é orçamento meu caro, é melhor parar com essa frescura pois ficar em casas de aluguel temporário oferecem muitas vantagens sobre os hotéis:

  • Sentir-se em casa
  • Poder lavar suas roupas (viajar com menos malas)
  • Poder cozinhar (economizar muito)
  • Momento família, você pode desfrutar junto com suas pessoas queridas, até mesmo de um banho de piscina ou jogos
  • Flexibilidade de horários
  • Café da manhã de seu gosto
  • Preparar comidas especiais (crianças, glúten, diabetes, lactose)
  • Descansar, de verdade

Deu para perceber que eu gosto muito de me hospedar em casas do AirBnb não é mesmo? Pois bem, hoje em dia tenho muita experiência e todas foram positivas, de dormir 1 noite em um “sofá cama”, a passar 1 mês completo em uma casa inteira.

De casas humildes a mansões no pé da montanha de neve, o bom do AirBnb é que oferece casas para todas as necessidades, viajantes solos ou famílias e grupos.

Pegue aqui um cupom $20 de desconto em sua primeira reserva.

10) Fique hospedado na cidade vizinha

Verdade seja dita, já fiz muito disso mas hoje em dia não considero mais. Recomendo você fazer isso somente se seu orçamento estiver muito apertado.

A experiência de acordar e dormir na cidade em que você planejou tanto visitar, depois de ter testado as duas fórmulas, me parece muito mais completa.

Tenha em mente isso, pagará muito menos na hospedagem.

11) Seja realista com o aluguel de carros

Pode ser bom em casos bem pontuais e tendo com quem compartilhar custos, viajar de carro demanda mais tempo e dinheiro, as pessoas costumam esquecer dos pedágios, do combustível e estacionamentos, viajar de carro implica em gastos muito variáveis e difíceis de calcular.

Não se deixe seduzir com um “custo por dia” que encaixa no seu bolso.

Se você estiver viajando em família pode valor a pena, mas você também tem que considerar que viajar de carro demora muito, você fica horas na estrada e chega cansado, por essa razão, deve evitar se a viagem for curta.

Existem muitas opções de transporte, faça um comparativo entre todas elas, seja o avião, trem, ônibus ou carro.

Hoje em dia na Europa está muito popular o uso do BlaBlaCar, um sistema de “carona” em que você consegue encontrar motoristas que estão fazendo o mesmo trecho que você, e então, você compartilha com ele os custos desta viagem.

Fique ligado nisso também!

12) Estude os pacotes de transporte público com atenção

Veja bem, cada cidade é um caso. Vou falar pontualmente sobre minha experiência em Madrid, que é a cidade que mais conheço pois vivo nela.

Um passe de metrô (e ônibus) para uma viagem de ida custa 1,50 euro dentro da “Zona A”.

Um pacote de 10 passes custa 12,20 € (1,22 cada).

Finalmente, um passe ilimitado de turismo para 1 dia custa 8,40 € e para 2 dias fica em 14,20 €.

Tendo isso em consideração, você deve analisar qual é o tipo de passe que mais vai com sua viagem, se você ficar no centro de Madrid provavelmente não se justificará pagar um passe ilimitado, mas se estiver hospedado em um bairro, tenha em mente que isso lhe ajudará a economizar bastante dinheiro.

13) Viaje de noite

Esse é um dos mitos mais certos da história, muito se escuta falar sobre dormir no trem, viajar de noite, enfim, isso funciona!

Você pode escolher transporte durante a noite e aproveitar para matar uma noite de hotel, ainda, você economizará horas durante seu dia para poder aproveitar ainda mais sua viagem.

Isso funciona mas nem sempre, pois não há transporte noturno para todas as cidades, além disso veja bem, nem todos os trens possuem cama, talvez você tenha que dormir sentado.

É uma forma de economizar, principalmente se você optar por um ônibus ao invés do trem, então a viagem demora mais, porém, como você vai estar dormindo compensa muito sua escolha.

14) Trem ou ônibus

Outra questão que poucos abordam mas pode representar uma economia bastante grande são as viagens em ônibus, existem trechos nos quais compensa bem mais viajar pela rodovia do que por via ferroviária.

Como sempre, cada caso é um caso mas tenha em mente que existe essa possibilidade também na Europa e você poderá economizar alguns euros nessa brincadeira.

15) Evite pegar taxis nos aeroportos

Metrô é uma opção funcional, em minhas últimas viagens eu não peguei táxi, salvo na minha “mudança para Madrid” quando trouxemos 6 malas. O fato é que se você seguir as recomendações e não levar em sua viagem muitas malas, vai ser possível.

Em Nova Iorque pegamos metrô no JFK, com destino a Manhattan, foi muito fácil e tomamos gosto por isso.

Meus pais vieram me visitar em Madrid, ao invés do táxi que custaria 30 € (preço fixo), eles usaram o metrô que terminou custando 4,22 € por pessoa, uma economia de uns 22 euros, tanto na ida quanto na volta!

Curioso não!?

16) Cartão, dinheiro ou cartão pré-pago?

Poxa, essa é uma pergunta bem difícil de responder pois vai variando. Você precisa encontrar um bom câmbio e comprar a moeda final, para evitar novos câmbios mais tarde.

O ideal levar dinheiro em espécie, caçar uma boa cotação e trocar seus reais por dólares, pesos, euros, ou seja lá qual for a moeda ainda no Brasil, essa é a forma mais barata pois o IOF é de somente 0,38%.

Ao usar o cartão de crédito você pagará 6,38% de IOF, e ainda ficará refém do câmbio do dia, o famoso câmbio “pega bobo”.

E os cartões pré-pagos, que foram tão populares em razão de ter IOF inferior, hoje não oferecem muita vantagem, já que o IOF passou a ser os mesmos 6,38% graças à mudança anunciada pela nossa querida presidanta em 2013.

Fique esperto pois ao viajar com dinheiro em espécie os riscos aumentam, você pode perder, ser roubado, etc., esse é o único inconveniente de viajar com dinheiro no bolso.

17) Compras

Uma das maiores ciladas de viagem são as compras, os turistas estão totalmente pré dispostos a gastar dinheiro e as lojas sabem disso. Um dos erros mais comuns é comprar no Duty Free, achando que não vão encontrar “aquele desconto” pois é “sem imposto”.

Gente, sejamos adultos, preço baixo e sem imposto são coisas totalmente diferentes. Não estou falando que você não deve comprar, mas dê uma boa analisada, faça um estudo de preços e compre aquilo que você já sabe que vai representar economia.

Outro dos erros é achar que vale a pena ir aos Outlets, isso nem sempre é verdade, você precisa ter um orçamento bem generoso para compras, para valer a pena.

Entenda que os Outlets normalmente são fora da cidade, você vai gastar em transporte, queimar um dia inteirinho de viagem e ainda, comprará compulsivamente, o que pode fazer seu orçamento estourar.

Fique atento aos reembolsos “TAX REFUNDS”, em alguns países você poderá obter o dinheiro dos impostos (ou parte dele)

18) Pontos turísticos vs mundo real

Você deve se imaginar que onde tem ponto turístico disputado os preços são elevados, não é mesmo? Pois bem, bem-vindo ao maravilhoso mundo da cilada.

Quero deixar minha opinião, depois de ter morado no interior da Itália e estar morando na capital Espanhola, existe uma diferença muito marcante entre “turismo” e “mundo real”.

Normalmente as pessoas se aglomeram para ver coisas que por mais bacanas que sejam, não representam em sua totalidade a cultura e hábitos de um povo.

Acredito piamente que numa viagem econômica seja ideal pensar em visitar cidades menos famosas, pequenas e que tenham um charme muito diferente dos concorridos pontos turísticos.

Tenho visitado na Espanha algumas cidades pequenas e não tão populares, que me surpreendem com sua beleza e história, além de ter um atendimento muito mais personalizado, digno de quebrar aquele paradigma de que “os europeus são frios e grossos”.

19) Tenha prioridades

Se você chegou até aqui, certamente está muito interessado em economizar em sua próxima viagem, o dólar está alto e isso complica realmente a realização de nossos sonhos.

Minha dica é bem simples, tenha prioridades, você não precisa fazer um “girão” na Europa se seu orçamento está limitado, foque nas cidades que você tenha paixão.

Não adianta querer viajar, fazer compras e comer fora todo dia, você pode viajar sim, mas foque no objetivo de conhecer as cidades primordiais, mais próximas e que representem um investimento menor.

Fique hospedado em uma casa, cozinhe para si, economize nisto para poder realizar seu sonho.

Esqueça as compras, não é necessário comprar nada em sua viagem, esse conceito de comprar fora do país pois vale a pena ficou no passado, em razão do dólar alto.

É isso, precisamos pensar como adultos para saber até onde nosso bolso nos deixa sonhar. Viajar é possível, mas temos que apertar o cinto para não se tornar uma dor de cabeça mais tarde.

20) Viaje com milhas

A última dica é bem delicada pois não tenho experiência, mas, sei que funciona pois meus irmão viajam muito com milhas.

Aqui cada cartão terá um tipo de programa e vantagens, o princípio porém é o mesmo: coloque todas as contas no cartão, podendo assim somar mais e mais milhas para viajar gratuitamente.

Contas de luz, celular, tv a cabo, escola, faculdade, carro, combustível, pedágios, supermercado, quase tudo pode ser pago com cartão de crédito e isso faz você somar milhas que mais tarde se transformarão em passagens aéreas.

Viajar com milhas é possível, porém complicado de utilizar, se tiver alguma dificuldade pode se informar com seu gerente, pedir ajuda para alguém bem por dentro deste assunto.

Mas, de forma superficial, vale a pena investir nisso!

Considerações Finais

Seja menos exigente, em tudo, muitas vezes nós acreditamos que é preciso muito mais do que realmente é preciso numa viagem.

Veja bem, vejo por exemplo os europeus quando vão de viagem, normalmente eles levam uma boa mochila (mochilão) nas costas e costumam repetir bastante as roupas.

Eles são mais “na deles”, sem essa cultura de ostentação que nós temos, eles não se importam em ficar um dia sem tomar banho para economizar uma noite de hotel, sabendo que podem dormir no trem.

Eles não se obrigam a pagar uma entrada no Louvre, mesmo que gostem bem mais de museus que nós, os europeus programam essa visita para o dia gratuito, mesmo que isso signifique ficar mais apertado entre a multidão que aproveita esse dia para visitar as exposições.

Enfim, ao morar na Europa vou aprendendo com eles e vendo que nossos conceitos de necessidade são muito diferentes, muitas vezes queremos aparecer bem mais do que somos e por isso não acreditamos que é possível viajar barato.

Temos a falsa ideia de que viajar é caro, mas não é assim, é possível viajar de forma econômica, aproveitando tudo aquilo que for essencial, sem gastar mais da conta e se arrepender depois.

Meu recado final é: menos é mais, tente aproveitar ao máximo sem querer abraçar tudo numa viagem, saiba que o destino sempre estará ali para você retornar num futuro próximo.

Grande abraço, até já.

Booking.com
Booking.com
Booking.com
Booking.com

5 Comentários

  1. Estou indo para paris com meu marido na 6f com alguns receios pois é a 1x , tempo, o que levar, como andar lá, transportes … irei sair no aeroporto de beauvais mas estou com duvidas de como me movimentar para vir ao centro de paris estação de gare d.est , me ajuda ?!

  2. Oi Andre, muito boas suas dicas, mas gostaria de saber como pagar as contas de luz, celular, tv a cabo e escola no cartão de credito. As demais como supermercado, combustível, etc já faço e consigo uma boa pontuação.
    Um abraço

  3. Obrigada
    Adorei suas dicas , estou pensando em ir para a França e visitar também a Itália.
    Meu sobrinho está estudando em Lyon e queremos ir visita-lo .

DEIXE UMA RESPOSTA